Uma ode a Brooklyn Nine-Nine

Brooklyn 99 é uma série que vi a chamada no intervalo da TBS em 2013, e tinha como protagonista o Andy Samberg, que na minha cabeça era o ator do filme horroroso do Adam Sandler chamado “Esse É Meu Garoto”

Isso, na época, me gerou um preconceito de que a série seria mais um besteirol vazio e sem nada a agregar, então eu não quis nem saber de ver nem nada.

Porém, 8 anos depois, após indicação da minha amiga e da minha sobrinha, decidi dar uma chance e começar a assistir a essa bendita série.

Pra minha surpresa… QUE JORNADA MARAVILHOSA!

Em menos de 1 mês eu já tinha DEVORADO todos os episódios disponíveis na Netflix e ainda dei um jeito de ver a sétima temporada de tão viciado na série.

Porém, teve um probleminha nessa maratona desenfreada que fiz, pois acabei perdendo detalhes preciosos e adotei um novo método de ver a série, que me inspirou a escrever esse texto.

A série mais confortável que eu já vi

Como eu maratonei as 7 temporadas, ou seja 173 episódios em pouco mais de um mês, houveram coisas que não percebi, e fiquei com aquela sensação de “quero mais” e agora estou reassistindo num novo ritmo.

O trampo diário tem sido cansativo e estressante, ainda tem os afazeres da casa, filhos e tudo mais, o que exige uma força mental gigantesca então encontrei o desafogo perfeito para o meu fim de dia.

Quando tudo está finalizado, trabalhos feitos, crianças dormindo, esposa dormindo, eu tiro ali 20 minutinhos e assisto um episódio de Brooklyn 99, de forma calma, prestando atenção, sem celular nem nada, e foi aí que descobri o valor dessa experiência.

É uma série tão leve, tão engraçada, com personagens tão cativantes, que me traz uma sensação tão boa ao assistir, que fico imerso ali e literalmente recarrega minha energias.

Não estou dizendo que é a melhor série do mundo nem nada disso, (até porque a melhor é Breaking Bad), mas para mim, ela me acertou num ponto tão agradável que me arrependo de não ter começado a ver antes.

Quer dizer… a bem da verdade não me arrependo, pois acho que o momento atual e a conjunção de fatores, foi o que me permitiu ter essa conexão tão gostosa com essa obra.

O que esperar da última temporada?

A série construiu algumas piadas recorrentes, as chamadas running gags que para essa oitava e última temporada eu espero ver todas ali, e por mais previsível que pareça, é exatamente essa familiaridade que eu quero ver

O fechamento da jornada desses personagens que tanto me divertiram, merece ser finalizada do melhor jeito possível, e mesmo que não seja, eu vou estar lá acompanhando e me divertindo, e com certeza vou rever outras vezes.

Me perdoem a quase blasfêmia, mas pra mim, Brooklyn 99 será o novo Chaves, vou rever mil vezes e rir igual.

Essa ode que resolvi escrever pode parecer exagerada, porém ela é muito verdadeira do meu ponto de vista atual, pois me fez pensar em como a minha relação com entretenimento ainda pode me surpreender e surpresas positivas são um ótimo combustível para mim.

Enfim, se você não assistiu Brooklyn 99 ainda, não cometa o mesmo erro que eu, assista. A sua relação provavelmente não será a mesma que a minha, porém será divertida, acredite.

E como diria (gritando efusivamente) o sargento Jeffords: NINE NINE!

Deixe um Comentário