Angustia do não saber

Essa quarentena por conta da Covid-19 tem gerado muitas coisas, e com certeza a mais presente delas é a angustia.

Angustia do não saber o que vai acontecer.

Quando vai acabar? Como vai ser o depois? Será que todos que eu amo vão ficar bem?

Não sei, e nem vou saber.

Ninguém sabe.

Então nos resta fazer o que podemos, nos prevenir, nos cuidar e estar presente junto a quem nos ama.

Eu estou presente com a minha família o máximo que consigo.

Entenda, que estar confinado juntos é diferente de estar presente.

Estou confinado o tempo todo, mas não estou presente o tempo todo.

Virtualmente, tento estar presente dos amigos e familiares distantes, mas isso é só um remédio, por mais que nos comunicamos pelas redes sociais, ainda tem a angustia do não saber quando estaremos juntos fisicamente mais uma vez.

Reunidos para contar histórias, para dar risadas, para se reconectar. Quando isso vai acontecer de novo?

Não tenho respostas, só tenho a angústia.

E como se combate angústia?

Tá ai mais uma pergunta que não tenho a resposta certa.

Novamente, acho que ninguém tem.

O que tem funcionado para mim é viver um dia de cada vez e absorver as notícias aos poucos. Produzir também ajuda desanuviar, criar arte, quadrinhos e trabalhar tem sido um boa forma de me sentir ativo e relevante.

No fim, o que mais colabora é estar presente para minha mulher, meus filhos e minha família.

Tudo isso deve estar rolando por um propósito, eu pelo menos me forço a acreditar nisso, para ter o mínimo de ordem no meio desse caos gigantesco.

Entre a angustia do não saber e a esperança de que vai passar e sairemos mais fortes disso, fico com a segunda opção. Afinal sou otimista por natureza, e talvez isso ajude a combater a ansiedade.

Para muitas pessoas infelizmente a situação está muito pior, por vários motivos que não consigo abordar nesse momento, mas posso garantir que pensar nisso também me traz angustia. Principalmente por não saber como posso ser útil de alguma forma.

Não dá pra abraçar o mundo. Aliás, no momento não dá pra abraçar ninguém.

Esse é o lado mais triste de uma pandemia, ainda mais de uma que não se tem precedentes na história.

O fato de não ter precedentes, significa justamente o que estou falando durante todo esse texto.

A falta de precedentes significa que ninguém no mundo sabe o que tá rolando, estão todos tendo que aprender conforme tudo se desenrola.

Por fim, esse é só um relato, um desabafo e uma constatação, de que minha angustia por não saber, é também a de muita gente.

No fim das contas, o “não saber” vai estar sempre conosco mesmo depois da pandemia, pois ninguém sabe de tudo. O que quero deixar para finalizar, é que devemos focar no que sabemos.

E o que sabemos com certeza é que tudo isso vai passar.

Até lá, se cuide e cuide dos seus, sabendo que isso é o que realmente importa.

Arte da capa:

Any cookies that may not be particularly necessary for the website to function and is used specifically to collect user personal data via analytics, ads, other embedded contents are termed as non-cookies needed. viagra price It is mandatory to procure user consent prior to running these cookies on your website.

Deixe um Comentário